O que é a Psicoterapia Reencarnacionista? A PR é uma nova Psicoterapia baseada na Reencarnação, vem para ajudar a nos libertarmos das ilusões e das fantasias terrenas e a nos apegarmos firmemente aos aspectos realmente absolutos e eternos do nosso Caminho, que é a busca de evolução espiritual, rumo à Purificação.

Os psicoterapeutas e as pessoas que acreditam na Reencarnação há muito tempo vem questionando o enfoque tradicional da Psicologia oficial, e das psicoterapias alternativas não-reencarnacionistas, por sua limitação a essa vida apenas, a visão de um “início” e um “fim”, como se não existíssemos antes, e anseiam por uma nova maneira de ver e tratar os nossos problemas e conflitos emocionais e mentais, a partir dos princípios reencarnacionistas.

Pois bem, agora existe essa nova visão psicoterapeutica em uma nova Escola de Psicoterapia e a diferença fundamental entre a Psicoterapia Reencarnacionista (A Terapia da Reforma Íntima) e as demais é justamente que a Reencarnação é o seu elemento básico e a partir daí é que tudo se estrutura. Os seus pilares são: a Personalidade Congênita (padrão comportamental que viemos revelando há várias encarnações) e a busca da evolução espiritual, oportunizando um real aproveitamento da atual encarnação.

O que é a Regressão Terapêutica (Método ABPR)?

É um procedimento realizado pelos Mentores Espirituais das pessoas respeitando a Lei do Esquecimento, utilizada com duas finalidades:

1. Terapêutica: Desconectar as pessoas de situações traumáticas do seu passado que ainda estão atuantes em seu Inconsciente, originando sintomas, principalmente nos casos de fobias, transtorno do pânico, depressões severas, dores físicas, sentimentos de solidão, saudade, abandono, tristezas sem motivo aparente, que podem assim ser curados rapidamente.
O desligamento do passado ocorre quando a recordação chegou ao período intervidas onde as ressonâncias da vida passada desaparecem. É um desligamento completo. A Regressão Terapêutica pelo Método ABPR consegue conciliar regressão com a Lei do Esquecimento por ser dirigida pelo Mundo Espiritual e nunca ser incentivado o reconhecimento de pessoas. Esse questionamento do Movimento Espírita é pertinente e defendido pela nossa Associação.

2. Consciencial: Ajudar as pessoas a recordarem COMO eram em suas vidas passadas para comparar-se COMO são hoje e perceber então no que devem melhorar, transformar-se, reformar-se: na sua Personalidade Congênita. Na Psicoterapia Reencarnacionista não somos nós quem realizamos a Regressão e, sim, o Guia Espiritual do paciente. Somos canais, apenas colaboramos nessa ação, ajudando a pessoa a realizar um relaxamento do seu corpo físico e uma expansão de sua Consciência, mas não dirigimos, não conduzimos, nem direcionamos a regressão.
Após um breve tempo, o seu Mentor o conduz para um fato do passado ao qual ainda está sintonizado, e a partir daí a pessoa vai recordando até o fim daquele fato, até seu desencarne naquela vida, até subir para o Plano Astral, até referir estar se sentindo bem.



Curiosidades sobre a Psicoterapia Reencarnacionista e Regressão Terapêutica

1)     Quais os princípios básicos da Psicoterapia Reencarnacionista?

A personalidade congênita – trazendo o entendimento de que a personalidade não se forma na infância e colocando no coditiano da pessoa o conceito de reencarnação, criando uma nova maneira de encarar seus conflitos e dificuldades, assim como suas questões emocionais.

2)     Como a Psicoterapia Reencarnacionista explica o fato de pessoas de uma mesma família terem comportamentos tão diferentes?

Porque apesar de estarem na mesma família, são Seres totalmente diferentes. Não é mais por acaso ou só por laços afetivos que as pessoas se unem formando uma família, também o fazem por laços kármicos. E isto se dá por conseqüências de atos de um passado. As maiores dificuldades surgem nos relacionamentos entre as pessoas da família: Pai, mãe, irmãos, filhos, etc. Estas pessoas fazem aflorar umas nas outras determinados sentimentos pelos quais vieram melhorar/curar nesta vida atual.

3)     Segundo a Psicoterapia Reencarnacionista o ser humano reencarna para evoluir, melhorar nesta encarnação o que não conseguiu em encarnações anteriores. De que forma isso acontece?

A evolução se dá com o entendimento de suas dificuldades e a consciência daquilo que precisa melhorar para poder evoluir. Determinados sentimentos são aflorados para podermos entender o que é necessário modificar. Entender que as pessoas muitas vezes são “gatilhos” necessários em nossa vida.

4)     É possível fortalecer laços afetivos, melhorar relacionamentos e reatar amizades através da Psicoterapia Reencarnacionista? Como isso ocorre?

É possível quando há o entendimento de que em encarnações anteriores já houve uma relação com àquela pessoa e que neste relacionamento, provavelmente existiram conflitos que não foram resolvidos e/ou perdoados. Então se faz necessário resolver este conflito nesta atual encarnação, trabalhando o sentimento que aflora, como: mágoa, raiva, ciúmes, submissão, tristeza, etc.

5)     Quais os procedimentos psicoterapêuticos utilizados na Psicoterapia      Reencarnacionista?

A tomada de consciência que acontece a partir do momento do entendimento, ou seja, quando se coloca a reencarnação como parte de toda a nossa existência e a regressão terapêutica.

6) Em que casos costuma-se utilizar a Regressão terapêutica?

A regressão terapêutica é utilizada sempre que necessário, para que se obtenha a melhora ou até mesmo a cura da pessoa. Os casos bastante freqüentes são: fobias, pânicos, depressões, medos, sentimento de angústia, solidão, etc.

7) Como é feita essa regressão e quais profissionais estão aptos para isso?

A Regressão Terapêutica do método ABPR (Associação Brasileira de Psicoterapia Reencarnacionista) é feita pelo Mundo Espiritual através do Guia Espiritual da pessoa que será submetida à regressão. O terapeuta é somente uma “ferramenta” nesta situação, preparando o ambiente, deixando-o de forma agradável e relaxante. Faz com que a pessoa a ser regredida fique totalmente relaxada, fazendo também a expansão da consciência. Depois deste momento quem atua é o guia espiritual, o terapeuta passa a ser apenas um coadjuvante incentivando em raros momentos a pessoa a continuar, seguir em frente.

 Os profissionais aptos a fazer a Regressão Terapêutica do método ABPR são àqueles formados pela Associação Brasileira de Psicoterapia Reencarnacionista e que já possuem experiência nesta técnica. No curso o aluno tem contato direto tanto com a parte teórica quanto a prática, isto faz com que o profissional sinta-se seguro para realizar uma regressão.

8) Qual a formação desse profissionais (período do curso, etc)?

O curso de P.R. e R.T. tem uma duração de 12 meses,18 meses ou imersão com aulas teóricas e práticas em praticamente 75% das aulas.

9) Quantas sessões são necessárias para obter a cura?

Isto depende de cada situação e pessoa, mas normalmente se faz de dois a três atendimentos com Psicoterapia Reencarnacionista e uma Regressão Terapêutica. Vai-se intercalando conforme a necessidade, porém nunca esquecendo-se também que é necessário a reforma íntima da pessoa em tratamento.

Sinta-se a vontade para acrescentar aquilo que julgares necessário.



                      Relacionamentos Kármicos

Vidas passadas e o Amor – Até onde elas atuam em nossos relacionamentos?

Se a maioria dos casos tem nós kármicos.

Como identificar? Como curar? Como ficamos livres?

     Na grande maioria dos casos as uniões afetivas se dão por um propósito maior que é justamente se fazer cumprir um acordo feito anteriormente à atual encarnação. Aqueles dois “seres” que reencarnaram um com “casca” de homem e outro com “casca”de mulher precisavam evoluir em alguns aspectos. A reencarnação dá a oportunidade de melhorar através do amor. Porque somente pelo amor que podemos perdoar e ter compreensão das coisas.

     As situações vivenciadas em vidas passadas estão influenciando a todo o momento em nossos relacionamentos, sejam eles afetivos ou de qualquer outra ordem.  Os relacionamentos acontecem porque são necessários à evolução espiritual/emocional/moral dos Seres Humanos.

     Quando nos relacionamos com alguém mais intimamente percebemos que alguns sentimentos afloram. Muitas vezes não só sentimentos de amor e carinho, mas também  sentimentos contrários ao amor, como: ciúmes, raivas, orgulho, possessão, mágoa, etc.

     Em muitos relacionamentos nos é dado a oportunidade de resgatarmos certos Karmas, que são justamente situações que nos colocam à prova diante de ciúmes, raivas, insatisfações, mágoas, orgulhos, submissão, autoritarismo, etc. Nestes relacionamentos  acontecem, momentos traumáticos que fazem “aflorar” todos os sentimentos contrários ao amor. Normalmente àquele sentimento ou situação que mexe conosco é justamente este que viemos melhorar/curar. E aquele parceiro(a) só está sendo um “gatilho” fazendo surgir tais sentimentos.

     Então, aquilo que achamos muito ruim num relacionamento – apenas está mostrando a nossa “fraqueza”, e que provavelmente já viemos há muitas  e muitas vidas com estas imperfeições. A cura se dá através da auto-análise, entendimento, perdão, compreensão, etc. Não devemos julgar o outro sem antes nos analisar primeiro e nos perguntar – Até onde eu contribuí e o que isto quer me ensinar?

     Ficamos livres destes nós Kármicos/imperfeições quando compreendemos o que viemos fazer, o que precisamos melhorar e quando aprendemos a perdoar, ter paciência,  tolerância com o próximo.

Reencarnando mais uma vez

Quando nós reencarnamos, viemos com planos e metas traçadas, sabe­mos por que estamos necessitando dessa nova passagem por aqui, por um plano dimensional denso, e, portanto, de um corpo físico, que nos sirva de veícu­lo nessa passagem. Sabemos o que temos de aprender, o que temos de cor­rigir, o que devemos melhorar, o que precisamos alcançar, aonde queremos chegar. Sabemos que encontraremos situações difíceis pelo caminho e que elas é que nos possibilitarão evoluirmos e alcançarmos nossos objetivos.

Sabemos quem são os nossos denominados pais, onde estamos chegando e por quê; temos noção de um projeto idealizado por nós mesmos para nossa passagem por aqui. Mas a partir do momento em que o espermatozóide do nosso eleito pai fecunda o óvulo da nossa eleita mãe, começam os problemas.

Durante o tempo em que estamos formando nosso veículo físico dentro do útero materno, a par­tir de um Molde Psicobiológico, temos plena consciência do que acontece com os nossos pais, o que acontece entre eles, e em relação a nós.

Nos relatos das regressões à vida intrauterina, percebemos claramente que o “bebê”, dentro do útero, percebe o que os pais e o que outras pessoas falam, o que pensam e sentem. A pessoa regredida ao útero, relata o que a mãe está dizendo e até o que está pensando; relata o que o pai está fazendo, se está querendo ou não aquela gravidez, descreve tudo que acontece a sua volta. E isso ocorre porque o corpo físico está se formando dentro do útero, mas a Consciência está lá fora, no corpo astral.